terça-feira, 19 de setembro de 2017

Sobre o filme «Una - Negra Sedução» de Benedict Andrews, 2016















O melhor do filme é mesmo o que lhe virá da peça de teatro «Blackbird» de David Harrower. O tempo distendido e cenografia ampla, debruada a vermelho, construída no interior de um angar-armazém de distribuição de correspondência postal.
Dentro deste, numa cápsula envidraçada a servir de cantina, Una (Rooney Mara) confronta Ray (Ben Mendelsohn) pelo trauma que a transtorna há 15 anos. Tinha ela 13 e era seduzida por Ray, (agora Peter após quatro anos a cumprir pena por abuso de menores), um vizinho adulto próximo e consciente do que significava ser seduzido e seduzir.
O filme, construído por flasbacks fortes e luminosos, faz sobressair os dotes dramáticos da jovem actriz Ruby Stokes (Una adolescente) num espaço igualmente distendido pelos arcos musicais de Jed Kurzel, mas que não retira a estranheza da escolha de Rooney Mara para actriz principal. Uma cara juvenil e torturada, embora estática, que bem podia ser a jovem Una década e meia depois, mas onde falta a plasticidade dramática que a história promete e a realidade exigiria. Devia a actriz ter carisma e pulso para persuadir o espectador da tensão que se cumula à sua volta e que explode na festa que Peter havia organizado com a sua mulher Yvonne (Natasha Little).
No interior do climax, Natasha Little é extraordinária nas poucas cenas que lhe concedem – a incompreensão do seu passado oculto e a compreensão de um futuro que em breve terminará, ao observar Una e Peter-Ray a despedirem-se para sempre.
Nas cenas finais, uma espécie de iluminação da arte dramática.

jef, agosto 2017

«Una – Negra Sedução» de Benedict Andrews (Una). Com Rooney Mara, Ben Mendelsohn, Ruby Stokes, David Shields, Riz Ahmed, Ruby Stokes, Tara Fitzgerald, Natasha Little e Tobias Menzies. EUA / Canadá / Grã-Bretanha, 2016, Cores, 94 min.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

São os rios












Alcantilados vão os becos da cidade.
Sinuosos os desfiladeiros, fragas, janelas, derivando na verticalidade das cegonhas negras e dos abutres do Egipto.
Águas fundas, finas, pegos e sargetas, ecoando risos ou gritos de alerta, que as crias são já visíveis no ninho ou jogam à bola, lá em baixo, pela rua.
Tudo tão perto e intangível como os carrascos que crescem no abismo do xisto ou o feto que se cravou, esporo ainda, no algeroz. Azulejos ou rochas luzidias. Pensamentos parcos de coisa alguma, sem razão magmática, mesmo assim, existentes.
O rio anda cravado nessa rua que vai fluindo de degrau em degrau, afluentes de certa alma, urbana porque anseia o poiso de um voo cansado, silvestre porque ainda não o encontrou.


jef, setembro 2017

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Dúvida sistemática













Enquanto preparava o polme das pataniscas, três colheres de farinha, avantajadas, um ovo inteiro, leite quanto baste, pois só no fritar a gente se entende, apenas três colheres que agora era só, o Augusto tinha-se passado dali no último Inverno como diziam as séries americanas, a D. Fátima perguntou ao Liru, o papagaio, que ia disfarçando, bico quase calado, a entoar desalmadamente as cinco primeiras notas do Ó Rosa arredonda a saia:
«Mas afinal qual é a verdadeira diferença entre o erro e o engano?»


jef, setembro 2017

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Sobre o disco «American Dream» de LCD Soundsystem. DFA / Excelsior Equity Management of NY, LLC / Columbia / Sony, 2017

















Para onde vai a música de dança depois do fim dos LCD Soundsystem? Felizmente temos um Emotional Haircut. A nona faixa.
Avancemos!

Com que então aquele último, magnético, suado, extraordinário e extravasante concerto que eles deram a 2 de Abril de 2011 no Madison Square Garden, por Nova Iorque, não era mesmo o último? Agora um novo álbum denso, programático, celeste, entre o pós-hipster e o pop-punk? 

Em que é que que ficamos? O fim recomeça algures noutra entidade? Não me parece. O ente reencarnou em si próprio mais livre, mais libertador!

Afinal, James Murphy não deprimiu de vez e prosseguiu com a saga tentando dar a entender para onde a pop electrónica nos vai levar: LCD Soundsystem (2005), Sound of Silver (2007), This Is Happening (2010)… Agora, American Dream (2017).

Uma enorme manobra de diversão. Porque este é um disco pop a sério. À antiga. Quando a música tinha o corpo do futuro. A pop da desistência e da resistência, da procura e do caminho. Do desamor e do desalinho. Da música e da sua escrita. Do estar certo no país errado e correr direito pelas linhas tortas. E depois e apesar de tudo, dançar! Subtil e duro. Obsessivo e lírico. Monolítico e emblemático. Cantante e plural. Tribal e inteligente. Vivo e infantil. Universal e sinfónico. Ri-se do que lhe ficou para trás mas não desdenha os risos e as lágrimas que a memória lhe acarreta.

The «Americam Dream»!… but «Make America Great Again!»

Que grande disco a recordar todos os meus sons mais queridos (Talking Heads, David Byrne, Brian Eno, Jon Hassell, Joy Divison, Morrissey, U2, Pulp, The Cure, Beck Hansen… até Portishead ou Young Marble Giants ou Pet Shop Boys ou Depeche Mode… ou mesmo «Vogue» de Madonna). Até a capa me recorda um dos álbuns da minha eterna emoção: «Jaurès - Les Marquises», Jacques Brel, 1977.

Disco confuso e esclarecedor que ficará a soar, ou a ressoar, nos meus tímpanos, no meu córtex, no meu conhecimento, no meu estremecimento, nos meus passos (de dança). Um dos discos do ano!


jef, setembro 2017

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Sobre o filme «O Meu Nome é Michael» de Justin Kelly, 2017















Não fosse interpretado por James Franco e produzido por Gus Van Sant.  Não tivesse a realização de Justin Kelly um fito político, e este filme levaria o epíteto: «Isto mesmo só podia acontecer na América!!».
Não tivesse a epígrafe: «baseado em factos verídicos».
Michael Glatze (James Franco) activo militante dos direitos dos homossexuais no bairro de Castro em São Francisco, após uma crise de ansiedade por medo de doença e morte súbita, vira-se para Deus. Descobre que Este rejeita a homossexualidade, considerando-a errada e imoral. Glatze torna-se heterossexual, casa-se com uma devota rapariga e, como continua a desejar auxiliar os seus semelhantes, funda uma seita anglicana, com igreja e tudo, para ajudar a levar pelo bom caminho os jovens com dúvidas sobre a sua sexualidade.
Dito assim até parece uma comédia, e até o poderia ser caso o filme fosse ficcional. Contudo, a realização é justa tendo o papel de James Franco o condão de expor as fraquezas de uma concepção do mundo ao sabor das vicissitudes condicionantes do corpo e da mente sem crucificar, apesar de tudo, o protagonista.
«O Meu Nome é Michael» é um filme biográfico, conciso, sem grandes voos narrativos, para não confundir a já perturbada, mas convicta, personalidade em causa, aprofundando o seu carácter dramático à medida que a espiritualidade, em certo sentido agressiva, vai ficando espelhada no ecrã. Mérito, acima de tudo, de James Franco.
Um filme que vai adensando um determinado «corpo» na em medida que nos tenta demonstrar que a religiosidade, tal como a sexualidade ou o medo da morte, é também matéria psicossomática.

jef, agosto 2017


«O Meu Nome é Michael» (I Am Michael) de Justin Kelly. Com James Franco, Zachary Quinto, Emma Roberts, Charlie Carver. EUA, 2017, Cores, 98 min.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Abrigo









diz-me já
não pararei
onde busco
por que procuro

fala
vou já para aí
não espero
porque busco
e aguardo
o que me dirás.

conta lá
já aqui estou
como vês

busca-me
que eu te procuro
dá-me a tua mão
ouve os meus dedos

diz-me
eu dir-te-ei
a espera por exílio
a busca como abrigo
o encontro como causa


jef, agosto 2017

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Sobre o filme «O Guarda-Costas e o Assassino» de Patrick Hughes, 2017















Hard Silly Season
Imagine-se que a Warner Bros vende os direitos do Coiote e do Bip-Bip à Disney. (Não! Não estou a falar do intocável «Quem Tramou Roger Rabbit» de Robert Zemeckis, 1988, com os extraordinários Bob Hoskins e Jessica Rabbit.) Falo em colocar um filme de pancadaria e acção nas mãos do lacrimejante Bambi e este dentro do humor à «Scary Movie». Contudo, o Coiote nunca ficaria soterrado por mais rochedos que lhe caíssem em cima. São toneladas de balas disparadas; centenas de automóveis passados a ferro; murros que estalam como facadas; facas que saem dos músculos sem deixar marca. Apenas, um ligeiro coxear. Amsterdão, Haia e Manchester, desfeitas a lança-morteiro; sangue-vivo-Viarco que salta do corpo de um exército maléfico de bielorussos que pensam estar nos Balcãs ou em Alepo; um sem fim de videoclipes ao nível dos isrealitas «Gelado de Limão I, II, III», onde as declarações de amor são espontaneamente interrompidas pela violência dos mais viciosos e corruptos funcionários da Interpol!

Por que será que Joaquim de Almeida tem de ser tão canastrão e estar tão mal vestido?
Como consegue Ryan Reynolds manter a cara de parvo durante quase duas horas?
Estarão Samuel L. Jackson e Gary Oldman assim tão necessitados de dinheiro?
Por que é que a belíssima Salma Hayek faz um papel tão estúpido?

Enfim, felizmente a silly season cinematográfica continua a ser o que era.

jef, agosto 2017

«O Guarda-Costas e o Assassino» (The Hitman's Bodyguard) de Patrick Hughes. Com Ryan Reynolds, Samuel L. Jackson, Salma Hayek, Gary Oldman, Joaquim de Almeida, Élodie Yung, Richard E. Grant. EUA, 2017, Cores, 118 min.